segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Fechando meus braços


O mundo está se fechando.
A vida deixou de ter valor sentimental, agora vale dinheiro. Pessoas vendem pessoas, pessoas vendem sentimentos. O interesse tem falado muito alto.
Queria muito saber o motivo de tantos gritarem liberdade e amor aos quatro cantos, quando na verdade mal falam bom dia para os familiares dentro da própria casa.
Esse fim de semana fiz uma comemoração na casa de um familiar e convidei alguns parentes e amigos. Os que vinham me cumprimentar eu fazia com um abraço bem apertado, porque gosto dessas pessoas e quis demonstrar. Alguns notaram a diferença, outros não, mas no final me lembro dos abraços como momentos deliciosos e mágicos.
Decidi que vou fechar meus braços mais vezes e cada vez pretendo ter uma pessoa especial entre eles. Como é gostoso um abraço apertado e carinhoso. Daqueles que te dizem sem palavras, o quanto você é querido. Atos que estão se perdendo. Perdendo espaço para a fofoca, para o egoísmo...
Não precisamos ficar com exageros, nem fingir que gosta para abraçar alguém. Mas se o sentimento for bom, faça!
A sensação é ótima!